A vergonha (o horror, a desonra, o opróbrio!) de comprar preservativos no Supermercado

Hoje vou falar aqui de uma coisa que eu já ando a reparar desde que me tornei cashier, mas que sempre pensei nisso: as pessoas, quando vão às compras, têm uma tendência natural para ter vergonha de certos artigos que compram. Refiro-me aqui, claro está, ao preservativo, que ocupa o top um das coisas que mais envergonham os meus queridos clientes. Comprar preservativos é qualquer coisa como um bicho de sete cabeças, ainda que seja usado, normalmente, só para uma. Uma usa, a outra envergonha-se de os usar. As pessoas escondem o melhor que podem a caixinha de Durex, Control ou Harmony

Numa época em que o sexo já não é (ou não deveria ser) tabu, ainda há quem ache que proteger-se tem de ser discreto. Há uma imensa vergonha de mostrar que se faz sexo, neste caso, protegido. E é engraçado de ver. Normalmente, o cliente mete sempre primeiro as coisas mais importantes à frente e, a caixinha dos ditos-cujos, vai por baixo de um produto qualquer (o maior, para a esconder bem os olhares alheios). Engraçado é, também, a inutilidade desse ato. Ora, eu tenho de passar todos os artigos para efetuar a compra e, se o cliente tenciona mesmo levar as camisinhas para casa, é bom que elas passem pelo scanner. E, quando eu descubro o artigo debaixo de um saco de maçãs, escondido entre duas caixas de cereais, o cliente faz uma cara que me comove. Um olhar à cãozinho abandonado, um misto de vermelhidão no rosto e principia logo a guardar o artigo no saco, como se este nunca ali tivesse passado.  Mas o melhor mesmo, é quando são casais. Eu já sei: aqueles olhares, aquela pergunta silenciosa do “quem vai primeiro?”, “será que ela vai-nos julgar?”. Ora, claro que não! Não há vergonha nenhuma no sexo, especialmente no protegido. Gosto, especialmente, dos que levam lubrificantes também.

Depois há aqueles clientes, normalmente da minha faixa etária, que vão apenas comprar o que precisam – a dita caixinha dos seis ou dos doze meninos de látex. E exibem na cara um sorriso grande, como quem diz “vou ter festa, toma lá”. Assim é que eu gosto! Até digo um “diverte-te” ali pelo final. Qualquer dia faço venda sugestiva, e pergunto se não querem levar o lubrificante de menta, que fica mesmo bem com os extra sensitive.

Não há vergonha nenhuma em ser-se sexualmente ativo. Nem vergonha em comprar preservativos que vão ficar na embalagem durante meses a fio. Ser-se sexual (a dois, a três ou sozinho) é parte da nossa natureza. E, se nos queremos proteger, não sou eu que vou julgar ninguém. Portanto não há necessidade de esconder, sim? E, qualquer dia, ainda faço uma lista de músicas para melhorar o ambiente, e ofereço aos clientes mais inibidos! (Barry White no top, prometo que só ponho coisas boas).

Vergonha é roubar! Ah, nessa linha de pensamento, não tentem roubar preservativos, que normalmente têm sempre alarme.

Vá, beijinhos e vão-se amar muito. Com látex à volta do dito-cujo. 

C.

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s