Está-se bem no Algarve, mas não em Agosto

“Está-se bem no Algarve”, é o que eu mais ouço dizer nestes dias. Seja de quem cá vive e passa os dias de papo para o ar na praia, seja de quem vem cá passar os quinze dias de Agosto. De facto, e concordo, está-se mesmo bem no Algarve. Que o diga eu, que vivo no Algarve o ano inteiro e estou mesmo bem cá. Excepto numa altura: o mês de Agosto. Não se está nada bem aqui em Agosto. A menos que sejamos dos que só cá põem os pés no pico do verão, Agosto é um mês insuportável para o resto de nós que aqui vive e trabalha.
Porque em Agosto enchem-se as ruas, as praias e os bares de pessoas que acham que mandam por aqui. Chegam estes quinze dias e exigem coisas que não damos a quem cá passa os 365 dias. Esperam que lhes estendamos a passadeira vermelha, que tiremos fotografias e que lhes lembamos os pezinhos. Mas a culpa é nossa: de facto, e por culpa da sazonalidade, andamos com todos esses ao colo nestes dois meses. Mas já irrita e já farta! Por amor de deus. Comportam-se como Deuses que nós temos de servir porque precisamos muito deles. Mas para quem como eu trabalhou em Lisboa, vê-se que o armanço é todo sulista. Lá em cima armam-se e são reis de tudo, mas cá em baixo acham-se superiores a Deus. E ninguém papa esses grupos, já. Podem parar por favor. Melhoram o ambiente a toda a gente.
É que o pessoal vem de férias para o Algarve como se fosse qualquer coisa de extraordinário, mas depois andam com os níveis de stress no topo, quer nos supermercados, quer na rua, nas estradas, até na praia a comprar a bola de Berlim.
Repito: parem. Porque para quem cá vive o ano todo, este mês torna-se insuportável. E não era suposto assim ser.
Fora de reclamações, comecei a ser Cashier a full time, de novo. Confesso que as saudades eram zero, mas o dinheiro no final do mês vai fazer diferença, já que me vai possibilitar melhores férias em novembro. Pagar aluguer do carro, um hotel top e jantares decentes. Há que fazer sacrifícios, que envolvem trabalhar com 40 graus quando podia estar na praia. Por exemplo. Ou aturar turistas que reclamam por cinco cêntimos que não descontaram, mas que, afinal, se olharem para o talão todo, até fez mais do que isso.
Trabalhar oito horas em agosto a atender pessoal que vem ou vai para a praia dá comichão, mas logo me coço nas minhas férias promissoras. 😉
Depois, é esperar pela folga para aproveitar tudo ao máximo, fazer praia, ganhar cor, estar com o sobrinho, ensiná-lo a andar ou a dizer tia antes do Olá.
A vida não é má, nunca, até quando é aborrecida. Porque posso pensar que todos estes sacrificios vão valer para algo melhor.
Por falar em coisas boas, mais uma vez escrevi para o P3, desta vez sobre as tatuagens, podem ler aqui. E ainda me admiro e impressiono com a quantidade de mentes fechadas que por aí andam. Pessoas que destilam ódio online e que ainda acham que vivemos no tempo da pedra. Dá para rir, se tanto. Mas depois existem aquelas pessoas que vêm ter connosco, porque o que escrevemos lhes agradou, e nos pedem conselhos e nos dão conselhos. Fico extremamente agradecida, até porque, mais uma vez, o Crónicas se uma Cashier apareceu no blog of the day, do WordPress. E um boom de visitas e comentários amorosos e cheios de carinho. Beijinho no coração a todas essas pessoas que me animam. A todos vós atenderia sem problemas e convido-vos a passar no Pingo Doce de Almancil para um café.
Para não acabar assim sem ser em grande, deixo-vos aqui um texto de leitura obrigatória, sobre o orgasmo. Muito bem conseguido, que encontrei no blog A Maçã de Eva.
Ficai bem, que eu por hoje termino assim, até porque amanhã é mais um dia de trabalho. Pensamento positivo: o sacrifício vai valer a pena. Para relaxar, deixo-vos este som e nada mais.
Beijinhos, boa noite amores♡

image

image

(Imagens, cortesia do Pinterest. Lagos, Portugal)

Cláudia Oliveira.

Advertisements

2 thoughts on “Está-se bem no Algarve, mas não em Agosto

  1. Desde que me lembro fui passar ferias com a família para o Algarve, e desde que me lembro, em Agosto só dávamos “a costa” a horas improváveis, o resto do tempo ficávamos no interior a relaxar e longe do stress todo. Eventualmente chegava Setembro e o Algarve tornava-se novamente um paraíso. Este ano não vou de ferias, mas estou a ver que as coisas não mudam! Beijinhos

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s