[ode aos apaixonados]

tumblr_ng0lxuV6Fm1rzyfwvo1_1280
comigo, ou é para sempre ou não é. não gosto cá de metades, nem de “por agoras”.
é para sempre, é tatuado na pele e no coração. se foi ponderado e se entrou na vida, é para sempre. não durmo com a consciência de que pode acabar, porque a ser assim não dormia. não consigo adormecer com a ideia consciente e serena de que aquela pode ser a última vez. já me passou pela cabeça, mas é sempre com medo, com dor e um peito pesado que assim penso.
o amor, para mim, é para sempre. se não não é amor. é um sentimento forte, é uma ligação que se pode quebrar. mas o amor, esse, é para a vida toda. pelo menos deste lado, perdura sempre no coração.
por aqui, ama-se uma vez, ama-se sempre.
eu quero aqueles acordar juntos, todos os dias da minha vida, a poder ser assim. e, mesmo que todos os dias seja todas as semanas, um dia por semana, quero que seja com aquela cara que eu sei de cor, aquele hálito matinal quente, que eu gosto de sentir na nuca; que seja aquele balbuciar de alguma coisa que me toca ao coração.
se é para viver a vida toda de acordo com outro ser, as suas manias e os seus feitios, que seja aquele que eu conheço melhor; que sejam aqueles tiques que eu já sei identificar, aquele bater de perna, o enrolar da barba, o roer das unhas…
se é para agradar, que seja aquela pessoa.
eu não vivo na iminência de que o chão me caia, debaixo dos pés. e é por isso que o meu coração se parte com tanta facilidade. porque me tiram a cadeira sem aviso.
mas eu não quero saber. se é para amar, que se ame SEMPRE como se fosse para sempre. não sei amar aos poucos, com medo, com reservas para sobrar para os outros.
o meu primeiro amor vai ser o meu último, é assim que eu vivo os meus dias. a querer e a desejar que o meu primeiro amor seja o único amor da minha vida, porque eu não vejo mais nenhum igual, para mim.
a vida ainda tem tanto para me ensinar a viver, tanta coisa para fazer. tanta preocupação e dor para me dar… porquê adicionar-me mais uma, ao viver um amor com prazo de validade? não, essa não sou eu.
amo de coração aberto, de peito escarranchado. só sei essa forma de amar, porque é a minha mais pura, é a única que aprendi, é aquela que sei.
recuso-me! a viver a minha vida na mediocridade.
que venham mais textos de amor, mais frases lamechas, mais lágrimas de dor! é disto que eu sou feita, sentimento em bruto.
é isto que passa cá para fora. para bem ou para mal.

Cláudia Oliveira.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s